Onde iniciou a Tarosofia?

Ninguém sabe ao certo onde o termo Tarosofia teve o seu início ou sequer onde a ideia geral começou a ser estruturada. Na melhor das hipóteses podemos aproximar ao início do helenismo na Grécia Antiga.

Quem Iniciou?

Embora no mundo do Tarot hajam uns quantos usurpadores de palavras e termos com aprovações legais dúbias, a lógica será respeitar o infame A.C. de Gebelin e atribuir a existência da tarosofia a Hermes Trismegistus.

Qual a etimologia?

A etimologia da palavra Tarosofia segue a forma correcta e original TARO juntando SOPHIA (σοφία), o sinónimo de sapientia que significa sabedoria.

A Tarosofia é a aproximação filosófica ao Tarot e ao mundo tarológico… é o caminho e o programa de desmontagem dos 78 símbolos em padrões de mente inconsciente e interior. Este é um caminho por camadas, começando nos trunfos, ou arcanos maiores, seguindo pelos arcanos menores cujo significado ganha alicerce nos trunfos construídos sobre os monarcas e representantes da sabedoria nas lâminas da corte.

Aprender a ler Tarot é como aprender um novo idioma cheio de simbologia ideográfica. Ler Tarot é muito mais do que regurgitar significados de um par de livros, é meditar sensitivamente de forma sistemática nas lâminas, que muitos chamam cartas. Os livros não vão poder transmitir este conhecimento porque ele vem de dentro de cada um, de um lugar tão profundo que nos interliga a todos. Aprender as definições básicas é como aprender a gramática deste idioma complexo e tão belo, mas é na mente superior que as relações entre as lâminas e a história que se conta toma forma. Uma história carregada de significados e significâncias, de sensações e sentimentos, de experiências e instrução. Na tarosofia afirmamos que indubitavelmente esta é a chave esotérica que queremos trazer ao conhecimento exotérico. A revelação desta linguagem simbólica vai muito além dos brinquedos comerciais de adivinhação e por isso os convencionais métodos de utilização tarológica são uma espécie de véus, mais ou menos foscos e toscos, que escondem a profundidade da tarosofia. Figurativamente falando, cada trunfo é uma palavra, cada menor uma frase composta de palavras e cada figura da corte um parágrafo composto de frases. Como em qualquer novo idioma que aprendemos a assimilação é gradual e a forma mais funcional de produzir aprendizagem é exactamente começar por cada trunfo de forma consciente e iniciar daí a viagem. P▼ afirmava que aprender esta linguagem esotérica era uma viagem de 39 semanas, similarmente à gestação humana, e como nessa gestação apressar o nascimento só vai complicar a aprendizagem. Continuava dizendo que após esta longa caminhada viria uma mais intensa e mais esotérica ainda de 78 dias e no final a mente estaria preparada para intuir, pensar e falar fluentemente a linguagem secreta do tarot, aquela que nunca foi escrita mas que pouco ou nada perdeu com o tempo por lhe vencer a batalha.