LUA, Décimo Oitavo Arcano Maior

23 Abril, 2015
por Isabella Mello
A Lâmina

Chamam-lhe Lua (Moon), Diana ou Hécate em vários e diferentes baralhos. s

Em várias representações do Tarot anteriores ao de Marselha – como é o caso do denominado Gringonneur, de aproximadamente 1455 – o arcano XVIII apresenta dois astrólogos, elaborando cálculos sob uma lua minguante. Os diversos elementos do baralho de Marselha e outros – os cães, o caranguejo ou lagostim, a água, as torres – não aparecem neles. A própria Lua só é apresentada ao contrário do desenho concêntrico (perfil humano, crescente), tal como aparece no Tarot de Marselha.
luaJá nos desenhos mais conhecidos, as duas torres podem ser consideradas como pórticos monumentais, que defendem ou protegem o espaço interno, no qual se encontram os animais, numa clara alusão à Torre, Arcano Maior XVI. É importante lembrar que a Lua (Diana-Hécate, na mitologia grega) é ao mesmo tempo Janua Coeli e Janua Inferni: a porta do Céu e a porta do Inferno, o que as coloca em estreita relação com os dois cães (ou lobos) a uivar. Constituem indicadores da ideia de dualidade, bipolaridade.

A Lua está directamente relacionada com aquilo que nos está a entristecer ou a decepcionar, podendo este facto estar relacionado com ilusões e sonhos inalcançáveis. Esta lâmina representa, de certo modo, os nossos impulsos escondidos que muitas vezes nós próprios não estamos conscientes por estarmos tão presos às nossas rotinas e hábitos, provocando assim receio de nos entregarmos ao nosso lado mais oculto. No entanto, o nosso lado oculto não deve ser encarado como algo assustador, mas como um instrumento de análise de modo a que não se torne numa fonte de angústia e decepções nem numa entrega demasiada, já que a Lua representa a ligação total com a espiritualidade e a tudo que lhe advém. Pode ser um indicativo, juntamente com as restantes lâminas numa tiragem, dos medos e obstáculos, podendo até referir-se a experiências traumáticas e fobias.

A aproximação do Arcano XVIII com o vasto simbolismo lunar seria interminável, desde a sua relação com o ciclo fisiológico feminino até o panteão das divindades nocturnas, passando pelas suas implicações cósmicas, mágicas e astrológicas.

A Manifestação

Para este arcano, podemos demarcar a seguinte definição: Aceite o seu lado espiritual e use-o, de forma equilibrada, para melhorar o seu dia-a-dia, aceite que é capaz!

No que se refere à Jornada do Louco, a Lua representa o segredo, as ilusões e o mistério, que pode estar associado a perigos ocultos.

Este Arcano Maior surge como a representação do mistério e do desconhecido, aquilo que por vezes nos escapa. Recorrendo à numerologia, o número 18 (1+8) remete-nos para o número 9 -Eremita- que representa a nossa essência, o equilíbrio com o nosso Eu Superior. Curiosamente, a Lua tem um ciclo que se repete a cada 18 anos. Depois de a Estrela (Arcano número 17) indicar o futuro distante e aquilo em que podemos apostar, é agora necessário equilibrar as ilusões e evitar que estas nos drenem a energia de modo a que seja possível a realização, a comunicação e o nascimento de uma nova etapa, de modo a que seja possível encontrar o Sol (Arcano número 19).

A total realização e o sucesso dependem do equilíbrio interior!

A Lua é provavelmente o elemento simbólico mais importante da maioria dos baralhos de tarot… Veja aqui como!

As significâncias e simbologias

Olhando para a Lua, vemos que esta está representada juntamente com o Sol, remetendo para as suas fases: Lua cheia, crescente e meia-lua. Simbolicamente, esta representação mostra a possibilidade de a Lua se fundir com o Sol, isto é, as ilusões e os sonhos se manterem no dia-a-dia. Apesar de tudo isto, a figura humana aparece associada a esta imagem, ou seja, existe a possibilidade de controlo e equilíbrio, sendo que a Lua contribui imenso para a definição da personalidade e traços específicos de cada um.

Continuando a analisar a lâmina, temos também quinze gotas douradas que são associadas à transição entre o céu e a Terra, mostrando novamente o lado oculto da mesma. Mais, este facto é novamente ilustrado pela cor azul clara do céu.

Temos ainda as figuras animais, sendo que:

  •  Cão- representa o nosso lado treinado, isto é, o que nos é ensinado
  • Lobo- representa os nossos instintos e o nosso espírito rebelde, que é o nos distingue. 

A junção destes dois lados determina a nossa conduta na sociedade.

Resta ainda um animal- Lagostim- que representa iconicamente as nossas origens e astrologicamente o signo Caranguejo. 

Entre as figuras animais, temos representado um caminho que liga as nossas origens, a nossa conduta e o desenvolvimento da nossa espiritualidade: A Jornada da Vida.

No fundo da imagem, temos ainda duas torres que, apesar de parecerem apelar à segurança, são uma pura ilusão, e caso não se enfrentem as inseguranças, os segredos e as ilusões isso poderá levar à ruína- Alusão ao Arcano Maior 16 (A Torre).  ç

(mais detalhes no nosso livro Iluminados 78 Vezes disponível brevemente)

  • Hierarquias Secretas reveladas
  • Inimigos Secretos revelados
  • Ilusão e segredos
  • Medos e ansiedades
  • Insegurança
  • Sentir medo
  • Estar a ser iludido
  • Ter inimigos secretos
  • Sentir infelicidade
  • Confusão interior

s

Seleccione para significados específicos:

Como carta do dia!

Neste dia é importante que viva ao máximo aquilo que, no seu interior, é realmente importante.

Como Prognóstico!

Tem a capacidade de conseguir libertar-se desses desejos e pensamentos que a prendem, terá a oportunidade de alcançar a satisfação espiritual e energética.

Como análise amorosa!

Está a deixar dominar-se pelas emoções, procure o equilíbrio para que a relação não seja prejudicada e não sejam criadas confusões desnecessárias! Atenção a possíveis segredos complicados…

Como um evento!

É uma boa época para a criação de projectos, a sua imaginação e criatividade estão no auge e os obstáculos são facilmente avistados.

Como aviso!

Esteja atento ao seu redor, há questões que estão a ser escondidas ou não estão claras.

Isabella Mello

Sobre

Bebo o mundo como vejo... mas confesso ter aprendido a ver o mundo assim que o comecei a sentir dentro de mim. As técnicas de Prana Bahkti, Reiki e a paixão escondida do Tarot rapidamente se tornaram ferramentas indispensáveis... pudessem todos ver o mundo como eu o vejo!

Deixar um comentário